28 de abril de 2016

Fazem com Narciso Mota o que fizeram com Luís Garcia?

Em 2008, Luís Garcia era presidente da AM e Administrador do Hospital de Pombal, Narciso Mota era presidente da CMP e Diogo Mateus seu vice-presidente. Nesse ano, Luís Garcia afirmou à imprensa "nunca ter visto na agenda política da Câmara a vontade verdadeira de resolver a situação do novo Centro de Saúde". Dias depois, no decorrer de uma assembleia municipal, na sequência da decisão do presidente da AM de cortar a palavra ao presidente da câmara, por reiterado abuso de tempo; Diogo Mateus, num aparte, não anuído, usou da palavra para acusar Luís Garcia de ter quebrado a solidariedade política na assembleia, tal como já o tinha feito quando prestou declarações à imprensa a propósito da política de saúde e do centro de saúde. Diogo Mateus - apesar de não ser presidente da câmara nem do partido - aproveitou a oportunidade para, de forma inoportuna, censurar publicamente Luís Garcia, retirar-lhe a confiança política e desencadear o processo destituição do presidente da AM, conduzido pelo líder da bancada e da concelhia do PSD. O desfecho do processo é conhecido e deixou as suas marcas e as suas vítimas. Agora, Diogo Mateus é presidente da câmara e Narciso Mota é presidente da AM. E é Narciso Mota que, a meio do mandato autárquico, anuncia a sua candidatura a presidente da câmara, justificando-a com o mau desempenho político de Diogo Mateus, consubstanciado no forte descontentamento popular. Com estes actores políticos e neste contexto de guerra declarada, uma pergunta se impõe: Diogo Mateus tem “tomates” para destituir Narciso Mota da presidência da AM, como o fez, por motivos insignificantes, com Luís Garcia? A coerência deveria impô-lo. Até porque, agora, o “pecado” é incomensuravelmente mais grave. Mas, quem tem “tomates”?  

27 de abril de 2016

Liberdade de Imprensa

Falta pouco para o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, que se assinala a 3 de Maio. A propósito dos jornais que amanhã estão nas bancas, ocorre-me a célebre frase de Orson Welles:

"Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. 
Todo o resto é publicidade".

26 de abril de 2016

História de um golpe anunciado (I)

No passado fim-de-semana, Pombal comemorou o golpe militar de 74, com as cerimónias oficiais centradas nos “Rapazes dos Tanques”. Premonitório: nas conversas informais só se comentava o golpe desferido por Narciso Mota contra o seu sucessor.
É discutível o modo e o momento escolhido por Narciso Mota para tornar público o assalto ao poder, mas respeita os princípios básicos da arte da guerra: ataque de surpresa, quando o adversário não está preparado ou está enfraquecido. Pode ter sido uma simples coincidência, mas o certo é que Narciso Mota apanhou o príncipe coxo, com a mobilidade fortemente limitada, amparado em muletas.
Independentemente das circunstâncias do ataque, o príncipe é mais réu do que vítima: tem sido demasiado incauto, semeou demasiado odioso nos seus súbditos quando estes ainda não tinham feito o corte com o anterior soberano e ausentou-se do território para ir gozar férias na neve (gosta de feriar regularmente) quando a rebelião já estava em marcha - como por aqui avisámos. Maquiavel ensinou que “contra a inimizade de um povo um príncipe jamais pode estar garantido”. O príncipe está vulnerável, corre sérios riscos de perder, sem honra, o reino rico e até há pouco tempo pacificado que lhe foi legado.

É agora chegado o momento de o príncipe mostrar a sua têmpera: se nasceu para ser Príncipe ou se príncipe foi.

25 de abril de 2016

Quem mais ordena


Não tenho simpatia pela figura do Marquês, mas acho desde o início que o projecto da Associação Artística Marquês de Pombal tem tudo para ser diferenciador. Via-os, por exemplo, na organização do "Maio, mês do Marquês", não apenas o quinteto a tocar, mas a colocarem em prática toda a vasta actividade que está nos estatutos da associação. Mas colocar o quinteto (vestido a rigor) no Café Concerto, em plena comemoração do 25 de Abril...não lembra ao diabo. Lembrou à Câmara de Pombal, que troca a Grândola pela música barroca.

Oito anos de Farpas

Há oito anos, o Farpas foi criado com o intuito de furar o cerco da asfixia informativa local. Conseguimo-lo. Comemoramo-lo com orgulho, com sentimento da missão cumprida, mas também com a azia da obra inacabada. Naquele longínquo 2008 estávamos longe de imaginar que o mais fácil seria furar o cerco. Hoje sabemos que o mais difícil é manter o cerco furado, porque as forças que o querem fechado estão mais fortes, são mais profissionais, e contam com colaboracionistas mais submissos e mais bajuladores.
Por hábito – e, agora, também, por necessidade - as pessoas submetem-se a tudo o que o poder deseja, o que gera um poder arrogante e uma cidadania dormente. Nesta comunhão maldosa, o arrogante encontra-se com o fraco, funcionam como duas faces da mesma moeda, mas não se compreendem.
Às vezes apetece-nos parar, dar a missão por concluída, mas rapidamente percebemos que estamos a meio da cruzada, que parar implicaria o regresso ao ponto de partida, que parar seria sempre uma desistência, uma cobardia. Não podemos dar esse presente aos nossos “inimigos”. E sobretudo: não podemos privar Pombal do contraditório, num tempo em que a oposição se demitiu de funções e a imprensa adormeceu.
Eles não mudam, não podemos mudar.
Cumprir Abril é isto, também.
Viva o Farpas, Viva a Liberdade!

23 de abril de 2016

Narciso é candidato à Câmara (crónica de um divórcio anunciado)



Narciso Mota está pronto para ser candidato à Câmara de Pombal em 2017. A decisão andou a ser pensada nos últimos meses, e fontes próximas do ex-presidente garantem que estava tomada já no sábado passado, quando tomou posse como presidente do plenário do PSD de Pombal, e onde deixou uma frase que muitos entenderam dirigir-se ao sucessor, Diogo Mateus: "quem com ferros mata, com ferros morre".
Nos últimos dias, o autarca - que actualmente preside à Assembleia Municipal de Pombal - tem vindo a estabelecer contactos com diversos apoiantes (no seguimento de um crescente apelo popular ao regresso) sendo claro na mensagem: "se o PSD não me quiser, avanço como independente". A decisão já foi comunicada ao presidente da concelhia, Pedro Pimpão.
A foto do triunvirato era premonitória. Tal como se adivinhava, começa a desenhar-se o tsunami.
Estava escrito nas estrelas, mas não era expectável que fosse tão cedo. 

21 de abril de 2016

Apelo aos beneméritos


Circula há mais de uma semana pelas redes sociais este apelo. Não vi na imprensa local nenhuma notícia sobre o assunto, mas parece-me que esta é daquelas situações que pode servir para o poder político e empresarial exercitar a sua responsabilidade social. A Paula sofre de uma doença degenerativa que há anos lhe vem roubando independência, que nos últimos tempos lhe fez perder até a capacidade de engolir. Gostava de deixar a sua história escrita, e já arranjou quem se disponibiliza a fazê-lo gratuitamente. Mas editar um livro tem custos. Por isso, aqui fica o apelo à boa vontade dos pombalenses beneméritos - que os há. Não é caridade, mas é solidariedade. E pode fazer a diferença.

13 de abril de 2016

Expectativas medievais


Respigo o que aqui escrevi há dois anos, aquando da inauguração das obras de requalificação do Castelo. "Face a uma proposta arrojada e polémica como esta, esperava do município um programa em coerência para o monumento. Um programa que justificasse o investimento efectuado e dignificasse a opção tomada. Provavelmente é isso que está na cabeça de Diogo Mateus e da sua equipa. Mas, se assim for, alguém me consegue explicar como se justifica um Mercado Medieval para o dia da inauguração?"

A insistência nos mercados medievais em Abril, assinalando o aniversário da inauguração da obra, mostra claramente que Diogo Mateus e a sua equipa não partilham a minha opinião. E quem sou eu para os criticar! Os factos até parecem dar-lhes razão. Fazendo fé nas palavras da vereadora Ana Gonçalves, o evento "continua a ser muito acarinhado pelos Pombalenses e pelos turistas nacionais e estrangeiros". 

Pronto, tudo bem... Os mercados medievais até são giros e concordo que, quando se tem uma infraestrutura como a do Castelo, seria uma pena não promover um evento desse cariz. Também sei que os pombalenses acarinham a iniciativa (como, aliás, muitas outras). Mas essa dos "turistas nacionais e estrangeiros" não será um exagero? Olhando para a foto que retirei da página da Câmara, noto que conheço quase metade das pessoas que "invadiram" o Castelo. Só 7 são da minha família!