1 de julho de 2015

Os 50 anos do Hospital de Pombal e os fariseus

O Hospital de Pombal, propriedade da Misericórdia de Pombal (do Vaticano), está a ser objeto de obras de remodelação mandadas executar pelo Governo de Portugal. Os contribuintes pagarão cerca de €2.000.000,00 em obras e equipamentos.
Recentemente, no âmbito duma ação propagandística denominada “sessão comemorativa dos 50 anos do hospital de Pombal”, o Município de Pombal, através do seu Executivo, decidiu afixar uma placa onde fez constar que contribui para a remodelação ou “conservação das fachadas” com “€182.320,00” (dos contribuintes Pombalenses) e que é “dono da obra”. A dita “comemoração”, necessária à exibição dos protagonistas, incluiu, a abrir, uma missa no Cardal, e a fechar, uma visita ao Hospital.
Constata-se que vários políticos locais estão a ganhar o hábito farisaico de fingir serem muito crentes, tal como os boémios convertidos em jihadistas degoladores de infiéis. Todos eles querem frequentar a mesma universidade de Navarra, os mesmos cursos pós graduação das filiais da mesma universidade, as mesmas missas, os mesmos retiros, os mesmos campos de férias, tudo da mesma organização (opus dei) fundada pelo espanhol Josemaría Escrivá de Balaguer, à semelhança da outra organização (inquisição), tristemente famosa, liderada por outro espanhol, Tomás de Torquemada. Todos querem prestar vassalagem ao clero e dar muito dinheiro dos depauperados contribuintes para as festas das igrejas, para as “merendeiras” das capelas, para os adros, para a “corda do sino”, etc…

O pior de tudo é que cada um destes “crentes” quer mostrar ser mais crente que os outros e quer mostrar acreditar na crença; quer mostrar até que o poder lhe advém por força divina… 

30 de junho de 2015

O estranho caso dos rapazes que querem mudar o feriado municipal para a segunda-feira do Bodo

foto: Pombal Jornal

Diz a imprensa local que a JSD apresentou ontem, em plena Assembleia Municipal, uma proposta tão bizzara quanto a exposição dos burros: mudar o feriado municipal, de 11 de Novembro, para a segunda-feira do Bodo. 
Tenho resistido a comentar tonterias. Mas a Assembleia Municipal ainda me parece um órgão sério - e pese embora todo o meu desencanto, por ter esperado 20 anos pela mudança que afinal não chegou - quero acreditar que prevalece uma réstia de bom senso. 
A mim não me choca que os rapazes sejam irreverentes, desde que não confundam a mesa do Red Line, da Cervejália, da Capital ou de outro qualquer com a bancada da Assembleia Municipal. 
O Bodo não é - nem nunca foi - uma festa concelhia. A maioria das freguesias não se revê nela.
Mas para tirarmos as teimas - e acabar com este episódio de manifesto umbiguismo, em que se confunde a árvore com a floresta - eu voto a favor de um referendo, já que chegámos aqui. Já que o presidente da Câmara propõe um amplo debate.
De resto, vale a pena perceber o que diz o povo, nas redes sociais...

Há burros no Cardal


O Jardim Municipal acolhe, por estas dias, uma exposição bizarra. Procurei mais informação sobre aqueles burros, mas não encontrei. Fico-me então pelas explicações do povo, daquele que anda no Pombus à hora de almoço, e que ainda há pouco me elucidou:
- isto são os burros dos ciganos?
- Não...(diz o motorista, esclarecido). São fotografias de um fotógrafo que é muito crítico, e que veio com aqueles espanhóis e italianos que estão no castelo a dar concertos. Acho que vão andar aqui umas duas semanas.
- Os burros?
- Tudo.
Imaginei tanta coisa no Cardal, neste formato. Mas é preciso ser burro, afinal.

29 de junho de 2015

Oposição dispensável

Sempre defendi a existência de executivos multipartidários nas autarquias como forma de assegurar uma melhor governação e algum controlo da deriva populista, cacique e corrupta do poder local. Mas estou quase a ceder. A realidade é o que é e não o que gostaríamos que fosse: a inoperância das oposições autárquicas é confrangedora, nomeadamente em Pombal.
Nem discuto a coisa com base nos argumentos económicos ou das necessárias poupanças: é evidente que os custos inerentes aos vereadores da oposição são insignificantes. Mas ganham significado quando o valor gerado é nulo ou próximo disso. Na verdade, não é o custo que pesa, mas o remorso do embuste.  
A agenda da última reunião do executivo municipal (que antecede a próxima assembleia municipal) continha vários e importantíssimos assuntos:
- Relatório de Gestão e Prestação de Contas Consolidadas – Ano de 2014
- Parecer do auditor externo sobre as Contas Consolidadas – Ano de 2014
- 3.ª Revisão às Grandes Opções do Plano 2015/2018
- Contratos Interadministrativos com as Juntas de Freguesia para a criação do Espaço Cidadão
- Protocolo de parceria entre o Município de Pombal e a Vodafone Portugal
- Projeto de Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação de Pombal
- Normas do Orçamento Participativo de Pombal
- Relatório final da Ação de Acompanhamento à Operação POVT
- Relatório de Execução Orçamental da PMUGest – 1.º Trimestre – Exercício de 2015
- Apoios às Juntas de Freguesia do Concelho de Pombal
Todos votados por unanimidade, sem uma observação, um reparo, uma crítica.
É a oposição que temos. Demitam-se, poupem-nos o remorso do embuste.

24 de junho de 2015

O perigo da utilzação da bicicleta

Para a European Cyclists’ Federation, Portugal é o país da União Europeia com maior taxa de ciclistas mortos na estrada e é apenas o 2º país com menor utilização de bicicleta, o que revela a perigosidade do uso deste meio de transporte. Só por medo os cidadãos não recorrem mais ao uso da bicicleta.
Embora o baixo grau de civismo de condutores ou até de ciclistas seja uma das causas de tão alta sinistralidade, é-o, sobretudo, a falta de adaptação das vias à segurança dos ciclistas.
Em Pombal, para além da zona da praia do Osso da Baleia e do pequeno troço do rio Arunca entre o açude e o Viaduto Guilherme Santos (preparados apenas para fins lúdicos), nenhuma outra estrada ou rua está adaptada à utilização da bicicleta. Acresce que não existe qualquer estudo ou projeto para alterar as vias e proporcionar a utilização regular da bicicleta pelos pombalenses como meio de transporte.
Mesmo na parte do lazer, pouco se tem feito, como é o caso do btt. Tendo a modalidade atingido razoáveis níveis de popularidade, sendo praticada por muitos cidadãos e pretendo o executivo camarário colher os louros e conduzir o “rebanho” para anunciado Centro de Interpretação da Sicó, justificando o pródigo investimento, apressou-se recentemente a colocar sinalética nalguns trilhos anteriormente abertos e mantidos pelos praticantes mais empenhados. Pensou-se que o Município iria passar a cuidar dos trilhos, o que não aconteceu, uma vez que os mesmos ou estão a ficar fechados com vegetação ou têm de continuar a ser mantidos pela carolice de alguns “betetistas”.

23 de junho de 2015

O SCP e os Tramiqueiros

Os tramiqueiros são criaturas com imaginação fértil, não para coisas com valor, mas para a tramiquice. Até ao final do século passado tiveram sucesso e ostentavam-no, rindo-se até dos que não lhes seguiam os métodos. Nos últimos anos entraram em desgraça e são, actualmente, a desgraça das organizações por onde andam. O seu “modus operandi” é simples: movimentam-se regularmente na fronteira da legalidade e lançam uma ou mais tramiquices. Se uma resultar, ganham um balão de oxigénio até à próxima dificuldade, e assim sucessivamente. Para tal, juntam-se sempre a quem lhes possa facilitar as tramiquices: dirigentes bem colocados ou políticos (alguns, tramiqueiros de origem).
O SC Pombal (SCP) foi, ao longo das últimas décadas, um bom exemplo da gestão tramiqueira. O clube claramente mais apoiado pela câmara – subsídios, infra-estruturas, serviços, despesas - manteve-se insolvente e normalmente sem resultados desportivos.
O SCP não sabe o que deve, mas sabe que não consegue pagar a dívida; quer continuar a receber apoios, mas não quer assumir os compromissos com os credores. Continua com uma direcção sem legitimidade a tomar medidas de fundo (Desportivas e Administrativas) e um Direcção eleita - já com baixa(s) - sem tomar posse porque não tem contas aprovadas. Para embelezar este quadro o digníssimo presidente da AG convocou uma assembleia para, de entre outros pontos, discutir a eventual criação de uma “Sociedade Desportiva Unipessoal por Quotas”, onde o clube terá uma quota intransmissível de 100% (DL n.º 10/2015; art.º 11.º).
O que visam com este “esquema”? Deixar o passivo no clube e, como este não tem activos, ludibriar os credores?
O que tem a câmara - principal financiador do clube com o dinheiro dos nossos impostos – a dizer sobre isto?
Vai a câmara continuar a dar toda a cobertura às tramiquices e a lançar o dinheiro dos nossos impostos numa entidade que não cumpre as suas responsabilidades e os compromissos com o Estado (Nós)?

21 de junho de 2015

Sete Sóis Sete Luas


O sete é um número bíblico, um número místico. Não foi por acaso que Deus descansou no sétimo dia e que Newton, que era um místico, decidiu fixar o sete como o número de cores do arco-íris. Também são sete as petições do pai-nosso.

Em Pombal vivemos também sob o signo do sete. Depois de termos sido considerados a sétima melhor cidade para se viver na região centro, acolhemos agora o Festival Sete Sóis Sete Luas. Desconheço os desígnios do oculto mas, sejam quais forem os motivos desta coincidência, o que é certo é que são duas boas notícias.

Confesso que estava longe de pensar que a nossa autarquia decidisse apostar num evento inspirado nas personagens de Baltazar Sete Sóis e Blimunda Sete Luas do magnífico "Memorial do Convento" de José Saramago. Estamos sempre a aprender. Espero que essa decisão corresponda mais a uma opção de futuro do que a uma medida avulsa, aproveitando uma oportunidade circunstancial. Só assim se justifica o investimento.
 
A partir de quinta-feira vamos acolher um festival que tem dado ênfase à divulgação da cultura mediterrânea, privilegiando os pequenos centros e artistas de inegável qualidade mas longe de poder ser considerados mainstream. Porque reconheço enorme qualidade nos nossos novos artistas (Ricardo Silva é o pombalense em destaque), porque vejo o futuro de cidades como Pombal enquadrado em redes de centros urbanos de interesses e identidades comuns e porque acredito na nossa matriz mediterrânea, aplaudo esta iniciativa da autarquia. Estarei disposto a aplaudir de pé quando perceber se esta opção corresponde a uma efectiva política cultural.

18 de junho de 2015

Silly Season*


A imprensa local e regional vai transmitindo, com assiduidade, o que se passa por aí. A nossa vida corre bem, como nos posts do facebook. Funcionários e vereadores do município marcharam alinhados, no Santo António (é verdade que nos outros municípios o papel das câmaras é incentivar as colectividades e os bairros - por alguma razão as marchas se chamam populares, e não municipais. Mas, como sabem, nada disso interessa).
A EB1 vai entrar em obras (isto se a DEGEstE se pronunciar a tempo sobre o projecto, se a obra for a concurso e publicamente apresentada/discutida), dando finalmente lugar a um Centro Escolar. Os pais estão agora a ser delicadamente informados, à medida que vão matricular os filhos. Mas é verão, tempo de férias e gelados. Os bombeiros hão-de dar conta do recado, que se-Deus-quiser a época de incêndios há-de ser tão morna como a participação no debate sobre o futuro do país que a nossa Associação de Industriais organizou - um naipe de oradores como aquele merecia, pelo menos, uma sala composta. Mas lá está, é quase-verão, a vida corre entre caipirinhas, gin-tónico e sumo de laranja fresco, que maçada.
Pensando bem, falta pouco mais de um mês para o Bodo. Pode ser que nessa altura já nos possamos deleitar junto ao Arunca, na esplanada que ali há-de nascer, em frente ao pavilhão da Caldeira, na sede prometida pela Câmara a uma colectividade desportiva (nas zonas desportivas devem estar colectividades desportivas, está bom de ver). E afinal, 183 mil euros hão-de dar para belas vistas.

Além disso, teremos sempre o Osso da Baleia.
fotos: Jornal Terras de Sicó

14 de junho de 2015

Carnaval de santo António

Nos últimos anos, tem-se registado um crescimento da promoção e da participação nos desfiles do carnaval de santo António no sambódromo de Pombal. O trabalho inútil de vários dias de preparação, os gastos perdidos nas indumentárias e os subsídios e os gastos camarários destruídos num momento servem para dar circo ao povo, bajular o clero e proporcionar mais um “arraial” de exibição dos autarcas municipais.

Este a ano, a chuva minha amiga fez uma desfeita ao carnaval, mas poupou-me um pouco de dinheirinho no consumo de água e manteve a natureza forte, verde e bonita, o que é muito mais importante.