3 de maio de 2015

As caminhadas e os trails dos políticos

As caminhadas, os “trails” e os percursos de btt estão a deixar de ser apenas atividades físicas, desportivas e lúdicas para se transformarem também em modas aproveitadas pelos políticos para ser mostrarem e obterem receitas para agradar a algumas associações.
A Câmara Municipal organizou há uma semana uma caminhada e um trail, cobrando uma pequena quantia monetária aos participantes e utilizando (sem custos) os trilhos, desde há muito abertos por alguns praticantes de btt, que sinalizou com fitas plásticas presas à vegetação ou, nalguns pontos, seguras debaixo de pedras colocadas nos estradões.
Enquanto atribui subsídios a diversas associações, alegadamente para construção de infraestruturas e para os seus membros praticarem desporto, a mesma Câmara cobra pela participação nalgumas outras atividades desportivas para a algumas associações. O objetivo parece ser sempre a obtenção de “receitas” para agradar às associações e não o fomento da prática de atividades salutares e do desporto para todos.

Entretanto, passada uma semana sobre a realização da “caminhada” e do “trail”, ainda não foram retiradas as fitas plásticas sinalizadoras dos percursos colocadas na vegetação e nos estradões nem as pedras colocadas/obstáculos colocadas nos estradões. Bem, apenas retiraram uma pequena parte das fitas junto à cidade… 

30 de abril de 2015

Juntar uns trocos

Depois da sessão de ontem da Assembleia de Freguesia de Pombal, deixei de acreditar nos regulamentos. Erro meu, má fortuna, tempo descrente...este em que as instituições da terra (supostamente laicas) estão rendidas ao trimestre que o Bispo aqui passou - e que teve de tudo, desde a benção das máquinas (tenho especial carinho pela roçadoira de Pombal) até às coreografias que as senhoras professoras ensaiaram com os meninos, num total desrespeito pela liberdade religiosa de cada família. Foram três meses apoteóticos para a comunidade. D. Virgílio é simpático, um líder cativante, e no dizer de uma beata cá da terra "um pedaço de mau caminho" - expressão do léxico feminino para descrever os homens bem apessoados. 
Mas essa é conversa para outro post. Este serve para beatificar os 2.500 euros que a Junta de Pombal atribuiu à Fábrica da Igreja Paroquial. Para suportar as obras mais recentes da Igreja - respondeu-me ontem o senhor presidente da junta, à dúvida levantada. 
Qualquer executivo de uma Junta é soberano para distribuir o dinheiro dos cofres (cheios, como felizmente estão os nossos). O único senão é que existe um regulamento, desde 2005, que estipula um tecto máximo de mil euros para apoio a associações e festas religiosas. E foi esse que suportou (!) a decisão autárquica.
Posto isto, não sei que diga aos dirigentes associativos que se desunham por apoios (às vezes logísticos, como a cedência de transporte). O melhor é irem à missa, todos os dias e com devoção. E uma vez praticantes, que integrem o Coro Municipal Marquês de Pombal, pronto para viajar até à Checoslováquia, e levar longe o nome de Pombal - com o apoio de 750 euros, que a Junta deu para a viagem, mesmo sem se tratar de uma associação e ser, como o nome indica... municipal.

Avenç(o)ados



27 de abril de 2015

A dança da cadeira

Uma das novidades introduzidas na gestão autárquica por Diogo Mateus foi a peregrina ideia da vice-presidência rotativa. De seis em seis meses, um dos vereadores a tempo inteiro assume o cargo de vice-presidente da autarquia, sabe-se lá com que finalidade. Esta decisão tem dois defeitos e, que eu saiba, nenhuma virtude: desprestigia o cargo e promove a incompetência. É o princípio de Peter no seu melhor, desta vez aplicado à vereadora Catarina Silva.

De acordo com o que aqui leio, o cargo de vice-presidente não é meramente decorativo. A ele cabe, para além das funções que lhe foram confiadas no âmbito da distribuição de pelouros: substituir o Presidente da Câmara nas suas faltas e impedimentos; representar o Presidente da Câmara em matérias administrativas e financeiras; assegurar as relações com a Assembleia Municipal; efetivar o trabalho de preparação política; realizar a coordenação geral da vereação no que às políticas implementadas diz respeito; monitorizar a execução do Plano de Ação Eleitoral sufragado; promover novas abordagens aos processos e incentivar a sua implementação nos serviços; proceder ao acompanhamento da Estratégia 2020.

E se todos reconhecem competência a certos dos vereadores da maioria, porque raio de carga de água o senhor presidente da câmara, ciclicamente, a quer desperdiçar?

O estritamente necessário para deixar pendente um sinal


Obrigado a todos os que fizeram do nosso 25 de Abril uma festa de aniversário do Farpas Pombalinas, um debate vivo e acutilante. Estamos cá para farpear. E para o que der e vier!

25 de abril de 2015

E depois de Abril

Muita coisa mudou nas nossas vidas desde aquela madrugada de 25 de Abril de 2008, quando eu, o Adelino Malho, o Adérito Araújo, o João Alvim e o Daniel Bento Alves mergulhámos nos teclados e nesta aventura de criar um blogue em Pombal, que se assumisse sem medos como um projecto de intervenção cívica e política [não partidário]. Na verdade, eu ganhava-lhes a todos: trazia comigo a Leonor, há sete meses, que haveria de nascer um mês depois, prematuramente aos olhos da ciência. De modo que, quando me perguntam do que me lembro nessa noite – em que trocámos talvez centenas de mails, entre nós, até acertarmos com aquela meia dúzia de linhas que fizeram o primeiro post – a memória traz-me algumas dores nas costas, largas o bastante para o que viria a seguir.
Era outro o Pombal desse tempo, como era outro o país. 
Não sonhávamos com redes sociais, com likes nem partilhas, mas sonhávamos todos com uma terra melhor. Sempre acreditei que a nossa terra é aquela onde vivemos, embora fiquemos para sempre ligados àquela onde nascemos. E por isso fui andando, às vezes por caminhos tortuosos, com a única certeza de o fazer de pé. A falta de predisposição para esfolar os joelhos traz dissabores, nos meios pequenos, mas dá-nos uma imensa  liberdade. E uma certeza: quando não temos nada a perder, e sobretudo quando não temos valores físicos para deixar aos nossos filhos, resta-nos a dignidade. É difícil falar dela e passar esta mensagem a quem só conhece o outro modus vivendi, aquele do registo bem comportado e futuro prometido, mais a pacandita nas costas (agora também existe em forma de like) e unidade colectiva. Às vezes penso que se não tivesse tido a sorte de viver e trabalhar com outra gente (mesmo sabendo que a sorte dá muito trabalho), nunca saberia que há mais vida para lá do Cardal, da declaração do presidente e de reacção oficial. Da mesma maneira, talvez me parecesse normal que a maioria dos jornalistas se anulasse no pé do microfone, esquecendo que são, antes de mais, cidadãos. E que numa sociedade saudável isso nunca coloca em causa o profissionalismo de cada um. Desgosta-me muito o estado a que isto chegou, mas não basta lamber as feridas. É preciso ter coragem de as tratar.
É nesse quadro que o Farpas se assume como um bálsamo, antídoto para caciques e formigas no carreiro.
Muita coisa mudou. Do núcleo fundador faltam-nos o Daniel e o Alvim, migrados para outras paragens. Vieram novos farpeiros, outros vieram e foram, abrimos as portas, desarrumámos a casa -  que fica à esquerda, como sabem. O Farpas foi entrando na vida da comunidade, de Abiul ao Carriço, do Louriçal às Meirinhas. Quando olho para nós, hoje, vejo-nos a abrir a janela e a sacudir o tapete, onde os poderes e interesses instalados guardam as migalhas e a poeira. A “farpearia” – como lhe chamam os meus – é um blogue. O que será depois de hoje, só saberemos logo à noite.
Valeu a pena a travessia? Valeu pois!
Pombal, 25 de Abril de 2015

Sete anos de Farpas


Por feliz coincidência, o Farpas nasceu no dia em que se comemora a liberdade. E tem sido sob o signo da liberdade que, desde 2008, cultivamos neste espaço o exercício da cidadania. Desengane-se quem aqui procura isenção e independência. Sentimos que a nossa democracia, mais do que opiniões consensuais, precisa do confronto leal de ideias, do contraditório. O nosso compromisso com a liberdade é a promessa de continuarmos a ser, como sempre fomos, totalmente comprometidos e tendenciosos. 

24 de abril de 2015

Assino e recomendo

Vai correndo esta petição, pelo fim dos subsídios públicos a actividades tauromáquicas.
Sou amplamente a favor, por vários motivos.

Fica o convite para que assinem também, e a que repudiem as vergonhosas contribuições da CMP (com o silêncio patético do PS) para esta prática.

23 de abril de 2015

A quem incomoda a política?


A Câmara Municipal de Pombal, alegando querer tornar as cerimónias de comemoração do 41º aniversário da revolução de 25 de Abril de 1974 "mais abertas à população, levando a outro tipo de participação e a outros públicos”, decidiu não realizar a habitual sessão solene. Para quem tomou essa decisão, ouvir os discursos das várias forças políticas com expressão no concelho de Pombal é uma seca, não cativa ninguém. Será a lógica do "like" do facebook a justificar estas aberrações? Das vezes em que participei na sessão (como orador ou espectador) vi sempre a sala cheia e uma plateia jovem e interessada.

Pelo que leio nos jornais, apenas o PCP se indignou com esta decisão e, em consonância, promove uma sessão política no Jardim do Cardal às 11h do dia 25. Não me surpreende. A verdade é que o PS também não me surpreende. Nunca esperei encontrar cultura política no principal partido da oposição. Já me surpreende que a JSD, que tantas vezes tenho elogiado pelo empenho político, não se tenha manifestado.

Tradicionalmente, Pombal dava palco à política na manhã do dia 25 de Abril. Este ano, provavelmente para não perder o encontro de mini-basket do Núcleo ou a arruada da Filarmónica Ilhense, os nossos vereadores eliminaram-na do programa. Que saudades do Eng. Narciso Mota!

Perigo na rua de Ansião




A ribeira do barco, junto ao passeio da rua de Ansião, na zona próximo do "2000" e do entroncamento para a rotunda do monumento aos bombeiros, está desde há muitos anos desprovida de corrimão que evite a queda de pessoas, como as fotos documentam.

Tanto cuidado a aplicar tanto dinheiro a “alindar” os adros das capelas, propriedade do Vaticano, e tanto desleixo a fazer as obras necessárias à segurança dos cidadãos.

Farpas: parar ou avançar?


São poucos os projectos políticos que se disponibilizam a discutir abertamente o seu próprio futuro. Mas é isso mesmo o que o Farpas se propõe fazer por ocasião do seu sétimo aniversário, convidando apoiantes, críticos, comentadores, leitores. Em particular, gostaria de convidar directamente alguns dos nossos históricos comentadores:

Flores Silva, roque, Eduardo Francisco Louro Marques, JA, Jorge Ferreira, Professor, João Gante, João André Coelho, Pedro Brilhante, Rodrigues Marques, Ernesto Andrade, DBOSS, Tiago Louriçal, Andreia, António Justo Domingues, caravaggio, Marlene, lopes da silva, Hugo Neves, Sérgio Gomes, F.D. Carolino, Zé da Maria, Artur Oliveira, João Paulo Forte, Maria Iluminada, Adruzilo Gambino, Sal da Nossa Pele, alegria2, Pedro S@ntos, Anónimo, Carlos Ribeiro da Silva, Nobre Povo, Filipe Eusébio, Cassandra, grilofalante1, Morcego Sicó Nidificador, Adruzilo Gambino, Sopas, Gumercindo Saraiva, Nuno Carrasqueira, Samuel da Chainça, Colonia Perfumada, kariguergous, Tarantola, Sra Cardal, Lino Cardoso, João Pimpão, Missionário, Mabeco, Pedro Moreira, papagaio, Acutilante Portugal, Sofia Dias, tinhoso, Pedro Pinto, Taedium Vitae, Sandra, José Guardado, Candelabro branco, Chico Gravateiro, João Luís Ferreira, Mário Martins, Al-Samir Zayn, Paulo Batista, Dino Freitas, Paulo Lima, Corvo Branco, pica miolos, voltaire898, Natividade Silva, e todos os outros que agora não me lembro.

O Farpas também é vosso. E se nos orgulhamos dos 1948 posts que publicámos, as 1103291 visualizações que temos devem-se muito aos vossos 17097 comentários. Apareçam!

20 de abril de 2015

OS SUBSÍDIOS, COMO A SEMENTE DE NABO, DÃO-SE À CORNADA

Podemos ler na NOTA DE IMPRENSA do GABINETE DE COMUNICAÇÃO que (e cito) "a Câmara Municipal de Pombal, reunida em sessão ordinária, aprovou por unanimidade a atribuição de apoios a Juntas de Freguesia e entidades do concelho no valor global de €53.564,74.
No âmbito dos apoios atribuídos às Juntas de Freguesia, a Câmara deliberou atribuir à Junta de Freguesia da Pelariga um apoio no valor de €12.500, que se destinará à comparticipação de trabalhos de beneficiação no Parque de Máquinas desta Junta de Freguesia, apoio concedido mediante a assinatura de um acordo de colaboração.
Também através de um acordo de colaboração, deliberou a Câmara atribuir um apoio no valor de €15.350,40 à Junta de Freguesia de Pombal, que se destinará à comparticipação de trabalhos de requalificação do Largo da Capela dos Mendes.
A Câmara deliberou atribuir também à Junta de Freguesia de Abiul um apoio de €10.000 (dez mil euros) para a comparticipação da transmissão em direto na RTP1 da Corrida de Touros de Abiul, que decorrerá no dia 14 de agosto.
À Junta de Freguesia de Carnide a Câmara deliberou um apoio no montante de €3.500, que se destina à comparticipação do sistema de rega de apoio ao regadio já existente na localidade de Cavada, nessa Freguesia.
À União das Freguesias da Guia, Ilha e Mata Mourisca deliberou a Câmara atribuir um apoio de €2.640,93 para a realização das obras de reparação no Parque de Vale da Sobreira, na Mata Mourisca; no Parque de Lazer da Ilha e para a reparação de semáforos na Guia. A Câmara também votou favoravelmente apoiar a Junta de Freguesia do Louriçal em €4.500, que se destinam a comparticipar nas despesas decorrentes da organização dos “Serões Culturais”, que têm vindo a ser desenvolvidos
pela Junta de Freguesia em todo o seu território."

Outros valores merecem a minha discordância (que não vale muito mais do que isso mesmo, uma discordância pessoal face aos méritos e justezas dos valores em causa), mas os 10.000 € pagos para comparticipar a transmissão em directo de uma corrida de touros, acho um insulto.
E não consigo entender a mansidão da oposição, que quando toca a populismos baratuchos, não mostra ser alternativa ou ter energia para fazer coisa diferente. Estamos mal.

18 de abril de 2015

Obras do Mercado e do Centro de Saúde em risco de continuação

Alpeso – Construções S.A., a empresa adjudicatária das empreitadas das obras de remodelação do mercado de Pombal, da ampliação do Centro e Saúde de Pombal e da construção do Centro Escolar da Mata Mourisca, requereu em 07-04-2015, para surpresa da Câmara Municipal, um Processo Especial de Revitalização (1019/15.2T8STR), depois de ter recebido mais uma “tranche” mensal do valor das empreitadas. Significa isto que a empresa está em dificuldades económicas e que vai necessitar de perdão de dívidas, para poder continuar a laborar, ou que vai seguir para a insolvência.

As obras, pelo menos do mercado municipal, já foram suspensas o que, a persistir, poderá implicar o lançamento de novos concursos públicos. Os custos monetários e sociais, decorrentes da paralisação ou arrastamento das obras e do lançamento de novos concursos, são as consequências visíveis da adjudicação de empreitadas a empresas em dificuldades económicas.

Jantar/Debate


No dia em que o blogue cumpre 7 anos de vida, de intervenção cívica e política, os da casa convidam à reflexão sobre o futuro. 
A blofosfera foi uma moda ou é uma necessidade? 
O Farpas é um projecto esgotado - pelas circunstâncias e pelo tipo de intervenção realizada - ou com potencial para gerar mudanças na comunidade? 
Farpas: parar ou avançar?
Venham daí os comentadores, os críticos e os leitores! Inscrições para o jantar (14 € por pessoa) através do e-mail farpaspombalinas@gmail.com