28 de junho de 2016

Nota simples

De uma distinção justa e rara (por cá).
Quando se lidera um processo virgem, conflituoso e tortuoso, regulado por leis e regulamentos confusos e discrepantes, as falhas podem ocorrer. Mas quando se tem ética republicana e princípios democráticos sólidos os propósitos nobres são alcançados e reconhecidos. 

Acompanhámos, influenciámos e participámos no tortuoso processo da instalação do Conselho Geral Transitório do Agrupamento de Escolas de Pombal. Regozijamo-nos com esta distinção. Também é nossa razão de existência dar nota do gesto simples e desinteressado e da exemplar cidadania.

20 de junho de 2016

Autárquicas: samba de uma nota só

                                                             Foto: Ricardo Graça, Jornal de Leiria

Uma pessoa esforça-se por encontrar motivos de interesse à esquerda e à direita, contraria a sua natureza, faz de conta que as decisões vão ser tomadas em várias frentes, mas isto parece o fado da sina: "não podes fugir/ao negro fado mortal/ao teu destino fatal/que uma má estrela domina".
A entrada em cena de Narciso Mota condicionou todo o espectáculo. Daqui até ao outono de 2017 será uma vindima farta. Qual capataz apanhado a dormir a sesta, o PSD há-de tentar compor os estragos. Mas como não pode servir a dois senhores, num qualquer momento vai esticar a bota para que Narciso se espalhe. Pode ser já na próxima Assembleia Municipal, para a semana que vem. O problema é que, mesmo com apoio do feitor, Diogo Mateus nunca sairá imune (nem impune) dos estilhaços que esta granada vai espalhando por aí.
Enquanto isso, o PS continuará à procura de quem aceite vestir o fato, agora que Narciso disse que não, que não vai por eles. Está determinado nisto, o homem que tornou o PSD naquilo que ele é hoje: ou vai pelo partido, ou contra ele, como independente. Posto isto, o CDS - cuja cúpula distrital equacionava convidar o actual presidente da Assembleia Municipal de Pombal, contra a vontade da estrutura concelhia - pode dar seguimento ao plano Falcão.

Não é a favor, é a desfavor de Pombal

O normal – e correcto – é as câmaras fazerem as obras que são da sua responsabilidade, e deixarem para o governo as que são da responsabilidade deste.
Mas há câmaras que conseguem inverter isto a seu favor: para além de pressionarem o governo a fazer obras que são da sua responsabilidade, conseguem que o governo faça as grandes obras que são da responsabilidade da autarquia.
Depois, há o caso (especial) da câmara de Pombal que subverte as regras a desfavor do concelho: não faz as obras que são da sua responsabilidade, e oferece-se para fazer - e pagar - as obras que são da responsabilidade do governo.

Nem tudo é normal em Pombal Ocidental…

16 de junho de 2016

Prioridades invertidas

Da CMP saem todos os dias Notas de Imprensa inúteis – propaganda barata que nos fica muito cara.
No entanto, há seis meses que não publicam as actas das reuniões do executivo. Não é por falta de recursos, é por má utilização deles.

Cumpram a lei. 

15 de junho de 2016

Luta de Galos II

Se, como tudo indica, Narciso Mota avançar mesmo, as próximas eleições autárquicas disputar-se-ão entre dois galos bravos: ele e Diogo Mateus. A terceira via caiu, se alguma vez se começou a erguer.
Neste contexto, a concelhia local do PSD limitar-se-á a cumprir, sem grande entusiasmo, a orientação dos órgãos nacionais: apoiar a recandidatura dos presidentes em funções, travando, desta forma, o regresso ao poder dos autarcas que foram afastados com a lei da limitação dos mandatos. Consegui-lo-ão? Em Pombal, as dúvidas são mais do que muitas. Por cá, a tradição diz-nos que o candidato do PSD vale mais que os outros todos juntos, mas Narciso Mota, neste momento, valerá mais do que qualquer candidato do PSD, nomeadamente o actual presidente da câmara.
Narciso Mota é uma ameaça terrível para todos, porque é favorito e tem uma autonomia estratégica invejável: ganhando, ganha a todos, e, perdendo, não perde nada. Cientes disso, os outros partidos movimentam-se para o aliciar ou apoiar, se avançar como independente. É uma opção que parece interessante – oportunidade de ganhar alguma coisa sem esforço - mas que não assegurará ganhos a nenhuma das partes, nomeadamente a Narciso Mota, cuja força advém do povo, não de estruturas partidárias - para ele são parcelas que não somam, reduzirão até o seu espectro eleitoral.
Diogo Mateus enfrentará uma batalha de ganha-ou-morre. Se ganhar afasta definitivamente a ameaça, se perder morre politicamente, sem glória e sem honra. Ficará para os anais da política local como a histórica de um príncipe que em pouco tempo perdeu um reino pacificado e rico.

8 de junho de 2016

Luta de Galos

Em Pombal, as eleições autárquicas, previstas para o ultimo trimestre de 2017, já estão ao rubro, com três candidatos – dois galos e um frango - do mesmo galinheiro, cobiçando o mesmo poleiro.
Ontem realizou-se a primeira refrega: longa (até às duas da manhã) e duríssima (com muita bicada e descompostura), mas sem triunfador. Tudo correu conforme os propósitos: eliminar ou enfraquecer os galos de crista-alta para fazer avançar o frango. O confronto mostrou a política partidária no seu esplendor, repleta das suas misérias e das suas grandezas. Podem não respeitar Narciso Mota, mas respeitar o PSD local é respeitar o muito que Narciso Mota deu ao partido.
A forma como decorreu a refrega confirmou o que sabíamos: (i) o partido não quer o regresso de Narciso Mota; (ii) o partido gostaria de afastar Diogo Mateus; (iii) o partido gostaria de avançar com Pedro Pimpão - sabe-se por quê e para quê, mas amanhã ainda não será a véspera desse dia.
Daqui se conclui que a vida não está fácil para ninguém. Mas o caminho fica claro para os diferentes protagonistas: Narciso Mota deve fazer o seu caminho, independentemente do dos outros, porque não precisa do partido, o partido é que pode precisar dele; Diogo Mateus tem que “usar” cargo e desgastar Narciso Mota, mas o problema está na dose, e aí já demonstrou inépcia no doseio do fel; Pedro Pimpão e os dirigentes a si ligados têm a delicada empreitada de gerir uma guerra e participar nela.
Está renhida a luta. Infelizmente só com galos da mesma capoeira. Na política, tal como na economia, a fortuna e a penúria andam sempre ligadas, são o resultado de vasos comunicantes descompensados, sabiamente estabelecidos.

4 de junho de 2016

Uma aposta ganha


Depois da estreia da nova produção do TAP (em parceria com a AJIDANHA, Companhia de Teatro de Idanha a Nova), o momento alto do Festival de Teatro de Pombal 2016 acontece hoje, às 21h30, no Teatro-Cine de Pombal, com a apresentação de Electra, pela Companhia do Chapitô. É o regresso a Pombal de um grupo que grande qualidade, num evento que constitui a mais sólida aposta cultural da Câmara Municipal de Pombal. Estão de parabéns os promotores pela consistência do projecto.