6 de julho de 2016

Não se pode falar de Blogs na AM

Na AM, realizada na última quinta-feira, João Gante, leitor do Farpas, pegou no que por aqui se escreveu sobre a Quinta de Sant`Ana e questionou o presidente da câmara. O que ele foi fazer. Saltou logo o digníssimo dr. João Coucelo, líder da bancada do PSD, não para esclarecer o problema real e grave (dizemos nós, e percebeu-se pela resposta do presidente da câmara) ou para contrapor um argumento qualquer, mas indignado por o deputado municipal do PS interpelar o presidente da câmara “com um assunto totalmente despropositado” e citando um Blog (O Farpas). Censurou o deputado municipal do PS, afirmando: “se um blog que eu não sei o que diz, serve para as pessoas reflectirem e vir para a AM falarem, lamento imenso, porque os blogs, para mim, não servem rigorosamente para nada, não são opinião pública”.
Nós, por cá, nesta questão (e não só), discordamos totalmente do digníssimo dr. João Coucelo, porque temos, com certeza, conceitos muito diferentes do que é opinião pública e público; mas compreendemo-lo muito bem. Só não percebemos porque gastou o tempo todo a atacar os Blogs (o Farpas) e não reservou um segundo sequer para contestar a mensagem. Aí, o presidente da câmara distinguiu-se. Compreendemos, também, que o digníssimo dr. João Coucelo e a sua bancada não gostem de ser incomodados, de três-em-três-meses, com o mesmo assunto, para algumas pessoas torna-se enfastiante. Bonito, para as pessoas que assim pensam, é despachar os assuntos todos, nomeadamente os fundamentais para a comunidade, numa penada, com aprovações  por unanimidade, sem nenhuma discussão ou intervenção.
Mas também compreendemos que o João Gante tenha metido o rabo entre as pernas e a bancada do PS não tenha tossido nem mugido – o respeitinho é muito bonito.
O digníssimo dr. João Coucelo nunca lerá estas palavras – seria descer demasiado baixo para o seu estatuto – mas os que são (também) opinião pública, vão gostar de saber o que ele considera opinião pública.
video



6 comentários:

  1. De repente tive aqui um flash back, das dissertações que o pedagogo João Coucelo fazia nas reuniões de Câmara, quando era vereador, sobre os jornais. Como munícipe não posso aceitar que um deputado municipal queira limitar um assunto que é de todos no tempo e no espaço. Já tinham discutido? E depois? Por acaso está resolvido?
    Como blogger, só lamento que ninguém lhe tenha apresentado a realidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu como munícipe lamento a mesma coisa, Paula.
      Os disparates laranjas nao sao apenas um "mérito próprio", terá este que ser repartido com quem os permite, sossegadinho e com respeitinho, comom bem diz o Adelino Malho.

      Eliminar
    2. Esta cultura do "não levantar ondas", do "é pelo consenso que lá vamos", do "bem comum", tem surtido um efeito prático: conduzir o concelho para um totalitarismo partidário. Na maior parte das vezes a oposição perde o jogo por falta de comparência, outras é pelo medo do confronto. E isso é triste, Nuno Gabriel.

      Eliminar
  2. O Dr. Coucelo, também se acha sangue azul, e possuidor da verdade suprema por isso não merece resposta a este tipo de insinuações, por isso decidi não intervir em defesa de honra da bancada. Ele não vai ler isto, mas vai ser informado pela PIDE do PSD local... eles andam aflitos, pelo menos a facção anti-Narciso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao responder a um individuo de outro partido que ataca um do "meu" (teu) partido com argumentos parvos, é um acto de extrema inteligencia e eficácia politica. O eleitorado costuma premiar esse requinte!

      Eliminar
  3. Gabriel Oliveira, se achas que és melhor que eu nas próximas autárquicas apresenta a tua Candidatura. Pode ser que até me convenças a Votar em ti. Estamos a mais de um ano e que eu tenho conhecimento ainda só ha 2 Candidatos ao cargo de Presidente da Camara e ainda não estão formadas listas para a AM. Força amigo, mostra a estes incompetentes que sabes fazer melhor

    ResponderEliminar

O comentário que vai submeter será moderado (rejeitado ou aceite na integra), tão breve quanto possível, por um dos administradores.
Se o comentário não abordar a temática do post ou o fizer de forma injuriosa ou difamatória não será publicado. Neste caso, aconselhamo-lo a corrigir o conteúdo ou a linguagem.
Bons comentários.