2 de março de 2018

Desleixo extremo nas obras

O cardápio das obras-tortas é extenso; na última AM, António Pires desfiou uma parte dele. Até agora, conheciam-se os erros e problemas frequentes no projecto ou na execução; na última reunião do executivo ficámos a saber que nem a recepção (provisória e definitiva) fazem, atempadamente. A obra da Casa Manuel Henriques terminou há seis anos, está em funcionamento desde essa altura, e não foi recepcionada; ou seja, não foi verificada a sua conformidade com o caderno de encargos. E, com certeza, foi paga; porque o empreiteiro não ia ficar sem receber durante seis anos.
A isto chama-se desleixo extremo, irresponsabilidade. E o ministro das obras apresentou isto na reunião, sem uma explicação, sem uma palavra, sem um acto de contrição.
Valha-nos Nossa Senhora dos Bem-aventurados.

Sem comentários:

Publicar um comentário

O comentário que vai submeter será moderado (rejeitado ou aceite na integra), tão breve quanto possível, por um dos administradores.
Se o comentário não abordar a temática do post ou o fizer de forma injuriosa ou difamatória não será publicado. Neste caso, aconselhamo-lo a corrigir o conteúdo ou a linguagem.
Bons comentários.