14 de junho de 2014

Acessibilidades


O nosso presidente prometeu fazer de Pombal um exemplo nas acessibilidades. Fez até uma visita de estudo a Barcelona.
De promessas por cumprir está o inferno cheio. Não é Sónia Silva?

18 comentários:

  1. Disse-me alguém de muita confiança que o lema do nosso presidente é:
    Nada é tão admirável em política quanto uma memória curta
    (eu sei que ele também se considera admirável, e que a tem curta).

    ResponderEliminar
  2. É a cidade de Pombal visto por um carrinho de bebé que tem a mãe que se desvia dos percursos mais difíceis mas pensamos em alguém com uma cadeira de rodas sem ninguém a conduzir?????????

    ResponderEliminar
  3. Amigo e companheiro Adelino Malho, bom dia.
    A tua amiga by Silva andou à cata de pormenores.
    Fico triste por ver que já necessitas de testemunhas. “Não é Sónia Silva?”.
    Por uma mero acaso, já não confias na tua palavra?
    Deixem o Presidente Diogo trabalhar, valha-me Deus.
    Enviei para o e-mail do Farpas, no dia 9 de Junho passado, fotografias que tirei na Avenida do Brasil, em Caxinas, Vila do Conde, com uma sementeira de pinos como os que estão no Largo do Cardal a fim de alguém, d’Os da Casa, fazer justiça.
    Mas, moita carrasco.
    Na reunião do Executivo foi presente o acórdão do Supremo Tribunal de Justiça onde condena, em toda a linha, o BPI, a compensar a Câmara do dinheiro que o banco permitiu que fosse retirado da sua conta, indevidamente.
    Pensava eu, cá com a minha santa ingenuidade, que um d’Os da Casa fizesse justiça por a Câmara ir ser compensada dos 541.733,51 euros mais juros, mais despesas, mais um puxão de orelhas ao BPI por ter permitido as transferências.
    E desta decisão não há recurso.
    Mas, moita carrasco.
    Pensava eu, cá com os meus botões, que se Os da Casa ficaram tão incomodados com a saída do Vereador António Pires, iriam colocar os pés ao caminho e fazer perguntas.
    Mas, moita carrasco.
    Pensava eu, pensava eu…
    Abraço, mas muito pequenino.
    Adelino, por favor, não apagues este comentário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eng. Rodrigues Marques,
      veja lá que pensava eu que se apuraram também as responsabilidades politicas dos actos... que supra apresenta
      que o eng. ou arq. responsável/eis pelo desenho das acessibilidades sabiam disto,
      que o Técnico de Contas tinha sido alvo de uma qualquer acção legal por ter deliberadamente não efectuado o trabalho para que estava contratado e legitimado...
      que responsáveis da Tesouraria tinham sido alvo de inquérito interno e processo de averiguações com consequente apuramento e conclusão perante este caso tão difícil de entender em local de rigor e transparência.
      Ok!
      A culpa é da Sónia porque vive em Pombal, porque gosta de passear o seu rebento... em Pombal e porque tem um filho e transporta-o num "Ferrari" das crianças...largo, aerodinâmico, contudo ineficaz nas estradas portuguesas...
      A culpa foi do BPI e dos funcionários da instituição bancária...

      Certamente...certamente.... de ambos
      Mas avisaram a Sónia que devia ter feito o trabalho de casa antes de trazer ao mundo este rebento??? Não será ela culpada? E o pai da criança não terá ele culpa também?
      E quem não conferias os extratos da conta, quem não analisava os movimentos contabilísticos, quem não certificava legalmente estes actos.... não é culpado...
      foram enganados. A Sónia, os outros, enfim ... todos!

      Pois tal como eu e todos nós (eng. incluído - presumo) em todo este processo.

      Eliminar
  4. Bom dia
    Caríssimos: Levantei este problema de acessibilidades, aqui no Farpas, há já cerca de 2 anos, descrevi os locais onde isto acontecia e nada se resolveu.

    É certo que este executivo está a governar os Pombalenses à relativamente pouco tempo, nunca é de mais relembrar aqui no farpas, ou noutro local, aquilo que em nosso entender está ,mal, aliás, está à vista de toda a gente, não percebo a razão pela qual o Sr. Engº está tão incomodado
    Quanto ao BPI é sempre bom sabor o desfecho destes assuntos, para mais, o farpas foi muito crítico nesta questão, pela escrita dos seus utentes e não só.

    ResponderEliminar
  5. Eu tenho dificuldade em perceber o argumento de que o executivo que está a governar é novo. Existem pelo menos três vereadores, um deles é o atual presidente, que não são novos nos destinos de Pombal. O presidente tem quantos anos nas decisões tomadas para Pombal? Não participou nas decisões? Ou são todos fantoches na mão de quem manda e vamos ao sabor do vento.

    Agora faz uma visita a Barcelona, coloca umas fotografias muito bonitas na internet, uma bandeira da cidade promotora das acessibilidades, muita propaganda, um congresso, um manual de boas práticas e depois é o que se vê.

    Nada se articula e é feito com um caminho definido.

    Fala muito bem, ar cândido e angélico, muita missa, diz que o Narciso, às escondidas claro, é que é o culpado e agora vamos alterar o que está mal – como o quiosque da praça, a solução para a casa varela,…., para todos os problemas que o anterior presidente deixou. PORRA, MAS ESTA GENTE NÃO ESTEVE LÁ, NÃO TOMOU AS DECISÕES, NÃO ACOMPANHOU O QUE ESTAVA A SER FEITO – estavam a ganhar o dinheiro para serem fantoches. Agora dizemos que são novos nisto. Simplesmente – NÃO OS TÊM NO SÍTIO, SÓ SABEM MAMAR DAS TETAS PODER, NÃO SABEM FAZER OUTRA COISA E O POVO CONTINUA A VOTAR NELES – eis Pombal.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde
    Caro Sr. Batista eu sempre mamei do meu trabalho, fui educado para trabalhar.

    Aqui ninguém desculpou ninguém, apenas comentou, Se o Sr, Não sabe fica a saber que para se fazerem obras é necessário cabimento, e, se não há é ilegal fazer obras. Certamente as correcções a fazer têm que ser efectuadas com enquadramento num projecto.

    O Sr. pode perguntar é se as correcções a fazer nestes percursos pedonais estão já no próximo orçamento, e, se não estiverem, então sim ter, todo o direito de escrever aquilo que escreveu.

    ResponderEliminar
  7. Sr. Papagaio

    O senhor não me percebeu. O que não tem cabimento são as “obras” – no seu significado mais abrangente – que são feitas sem planeamento rigoroso, sem um rumo, O ÚNICO OBJETIVO DAS “OBRAS” É INAUGURAR, mas COM MUITAS FOTOS, MUITA COMIDA, MUITA GENTE e CONVÉM PROMETER SUBSÍDIOS, E NESTA PARTE É PARA CUMPRIR E ACOMPANHAR RIGOROSAMENTE.

    A preocupação é mais propaganda, visitas pomposas, congressos, bandeiras, fotografias lindas, …, fazer muitas coisas com aquele objetivo referido em cima - depois manda-se e deixa-se fazer. Como muitas delas correm ou correram mal, culpa-se o narciso, faz-se de conta que não se esteve lá, fala-se angelicamente e o circo continua a circular e a animar as gentes.

    O nosso Marquês de Pombal tinha uma melhor visão do estado, entenda-se, que na perspetiva do seu pior olho, que estes senhores. Desculpe-me, se me conhecesse saberia que não sou brejeiro (mas “estou” na onda do BODO – influências Quim Barreiros).

    Quando as asneiras estão feitas, COSTUMAM SER AS FARPEADAS, POIS ELES ANDAM POR AQUI E NÃO SÃO NOVOS NISTO, atiram as culpas a outros ou mandam alguém dizer que são novos nisto. A estratégia seguinte costuma ser, culpam o arquiteto irmão, ou engenheiro que não é do partido, o cantoneiro que não sorri, a cozinheira que não os atura,... – MANDA APLICAR CASTIGO: COLOCAM-SE ESTES HOMENS A FAZEREM OUTRA COISA, uma tarefa mais rasteira, NUM ESTILO DE INQUISIÇÃO (ISTO DE IR REGULARMENTE À MISSA E SABER A HISTÓRIA ENSINA MUITA COISA E DÁ-LHE UMAS IDEIAS) E SEMPRE SE DÁ UM AR DE MACHO – então a mensagem passa a ser - AGORA É QUE É.

    E começa um novo ciclo, mais um dinheiro para ali e para acolá, bandas a tocar, muito circo, muita festa. O barco, que somos nós, continua a afundar-se.

    A ideia era mais ou menos esta. Mas se calhar O BURRO SOU EU e eles são mesmos novos nisto andam à procura de cabimento, $, e as intenções até são boas. Mas o inferno, você sabe como é.

    EU VOU ACREDITAR. AGORA É QUE É. FORÇA POMBAL.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Paulo Batista
      Se obras são feitas sem rigor nem planeamento rigoroso , sem rumo, como diz, então diga lá quem as planeou, foi este ou o executivo anterior?

      É certo que há 3 elementos do executivo anterior no actual, estou um bocadinho de acordo consigo neste aspecto, no entanto, há um plano e orçamento aprovado pelo executivo anterior, que por lei têm de ser respeitado, o tal cabimento mais restrito que eu referi!
      Vamos aguardar pelo novo plano e orçamento e então estarei ao seu lado para lhes dar força!

      Quanto ao comportamento social, "missa ", nada tenho a dizer presunção e água benta cada um toma a que quer.

      Eliminar
    2. Sr. Papagaio

      O atual executivo tem três vereadores do anterior executivo, mas os do anterior executivo EXECUTAM neste executivo, menos o narciso que foi eleito. Eu não tenho dúvidas. Veja lá bem se não concorda comigo? Esta história de serem novos é propaganda, foleira e barata? Chamou-se a isto MAIS POMBAL.

      Entende aquilo dos fantoches?

      MAS EU ACREDITO. AGORA É QUE É. FORÇA POMBAL.

      Eliminar
  8. Depois desta longa reportagem da Sónia Silva mudei de ideias: estes obstáculos, pela sua quantidade e variedade não podem ser fruto do acaso ou meros descuidos construtivos.
    São obras pensadas e planeadas com todo o rigor (estão com certeza fartos de ouvir isto!).
    Como sabem, no atletismo de pista há uma prova com obstáculos. Porque não “inovar” um pouco e introduzir uns obstáculos nuns quantos passeios para tornar a marcha menos rotineira e mais divertida?
    A nossa câmara está muito à frente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Adelino

      O quiosque também foi pensado e executado com todo o rigor, muitas reuniões devem ter acontecido. É o rigor que nos calhou na sorte, mas legitimado pelas urnas.

      NOVA FASE, “NOVO” EXECUTIVO - A culpa é do narciso - ISTO PARA MIM É COBARDIA, NÃO OS TÊM NO SÍTIO.

      AGORA COM UMA PRETENSA CORAGEM, À MACHO, porque passa e manda passar a ideia que é novo nisto, quer mandar a aberração abaixo, tenho que admitir - GRAÇAS A DEUS, pois também sou católico (q.b.). NESSE DIA ELE IMAGINA-SE A SER SAUDADO POR QUASE TODOS OS POMBALENSES, NÃO SEI MESMO SE NÃO SONHA EM SER COROADO.

      O mesmo se passa com as tretas da acessibilidade e tantas outras.

      PORRA. É MUITA ASNEIRA PARA QUEM NOS “DIRIGE”.

      Eliminar
    2. Adelino, tu não tens, mesmo, vergonha na cara.
      Queres que eu te mande gozar com a quinta pata do cavalo, ou vais de moto próprio?

      Eliminar
    3. Caro Eng. deixe a quinta pata do Cavalo fora disto pois o que falta em Pombal não são patas de Cavalo, mas sim "Corrones" no sitio.

      Eliminar
  9. Quem eu vejo aqui a gozar é a CMP. Ou então é mesmo só incompetência pura. Não sei o que será mais grave...

    ResponderEliminar
  10. É certo que em Pombal os obstáculos à adequada mobilidade dos cidadãos são imensos. De alguma forma se justifica que em zonas não recentemente intervencionadas estes existam, se considerarmos que a consciência sobre esta problemática só tem expressão em Portugal há talvez duas décadas. Quanto às obras mais recentes, reconheço o esforço de melhorar as condições das vias públicas permitindo a tal mobilidade para todos os cidadãos, mas de facto há determinados erros incompreensíveis: os mini pináculos em que todos tropeçam, postes no meio de passeios, valas no pavimento entre passeios rebaixados e passadeiras, etc. Por outro lado, não comentado o custo de utilização de determinados materiais (que até acho muito bonitos), não posso deixar de lamentar que se perca a nossa calçada, com os seus ricos desenhos. Esta calçada, além da vantagem inumerada tem duas outras: não impermeabiliza e em caso de obra, pode ser levantada e reposta (a baixo custo), ficando novamente bonita.

    ResponderEliminar
  11. Bom dia
    A nossa calçada não se perdeu, há apenas uma diferença, agora foi construída em granito.

    ResponderEliminar

O comentário que vai submeter será moderado (rejeitado ou aceite na integra), tão breve quanto possível, por um dos administradores.
Se o comentário não abordar a temática do post ou o fizer de forma injuriosa ou difamatória não será publicado. Neste caso, aconselhamo-lo a corrigir o conteúdo ou a linguagem.
Bons comentários.