13 de março de 2017

Obras tortas

O Príncipe e os seus apaniguados andam inchados com a rotunda do Alto do Cabaço, no IC2, que passou a ser a obra do regime, substituindo o CIMU – Sicó - o malfadado mamarracho . Quando se comemora a construção de (mais) uma rotunda na principal estrada nacional, paga com o dinheiro dos pombalenses, está tudo dito sobre os decisores locais.
A rotunda beneficia uma pequena parte dos automobilistas, os que circulam na EN237 na direcção Leiria; mas prejudica a esmagadora maioria, os que circulam na IC2.
Mas pior do que a rotunda, é a solução para o entroncamento entre a EN237 e a Rua Carlos Alberto Mota Pinto (junto à Estação de Serviço). A EN237 foi desclassificada - passou a EM – e tem funcionado como a única variante à cidade, permitindo, a Norte, contornar a cidade e fugir ao trânsito interior. Com o novo figurino, o trânsito que circula na EN237 em direcção ao Alto do Cabaço e pretende entrar na cidade, tem que entrar no IC2 e fazer a rotunda, obrigando à paragem do trânsito no IC2, nos dois sentidos.
Pergunta-se: como é que as Infraestruturas de Portugal aceitaram esta aberração? Olharam só para o projecto da rotunda ou limitaram-se a seguir o ditado popular: em cavalo dado não se olham os dentes. A investigar… 

13 comentários:

  1. As pessoas só sentem a dor do seu umbigo. Urge relembrar a quantidade de acidentes que ocorreram naquele cruzamento. Urge relembrar o tempo absurdo perdido para entrar no IC2 rumo a zonas a sul da cidade e que ainda pertencem à freguesia de Pombal (sem falar de todos os outros que tinham como único escape da cidade, rumo ao sul, sem a atravessar, esse preciso local).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cátia
      Não sinto nenhuma dor de umbigo, antes pelo contrário: a rotunda beneficia-me - faço o circuito em direcção a Leiria todos os dias. Mas isso não me leva a defender a construção de rotundas no IC2
      Diz que vai reduzir os acidentes, talvez. Mas na semana passada houve lá um, pelo menos (os vidros ainda lá estavam, ontem).
      Mas é bom termos perspetivas diferentes, nomeadamente quando assentam em pressupostos diferentes. Uns defendem, legitimamente, a rotunda porque esta reduz a velocidade no IC2 e assim evita acidentes; outros defendem que se circule mais depressa no IC2 e por isso defendem que se devem evitar as rotundas.
      Mas já agora, dê-nos a sua opinião sobre o tema essencial do post – a solução para o cruzamento. Concorda? Discorda?

      Eliminar
  2. Tudo o que seja evitar acidentes, deficientes e poupar vidas, que as houve naquela cruzamento, não devemos olhar a meios. Podia ter sido melhor idealizada? talvez! Estão idealizados arranjos complementares para esta obra? talvez! Os barracões. mamarracho. da CMP junto ao IC 2, eram uma vergonha já foram deitados abaixo, para quê ? será para melhorar a rede viária ? Talvez, pois permite arranjar uma via de serviço junto ao IC 2 . POUPAR VIDAS não têm custo, não se quantifica!

    ResponderEliminar
  3. Enquanto comentador habitual gostaria que ficasse escrito que fico incomodado com a incapacidade deste blog em ver coisas positivas numa obra que salva vidas. Este meu pedido é apenas para que não fique tido como cúmplice desta situação, nem que fosse por ausência de comentário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João,

      Tens sido tão cúmplice, e tens-nos privado dos teus sábios comentários.
      Já agora, aproveita a embalagem, e demarca-te das críticas ao Museu da Sicó. Senão, por omissão, corres o risco de ficar associado a estes maldizentes.
      Abraço cúmplice,
      AM

      Eliminar
  4. Sim, o projeto e a obra não são perfeitos e até podem ser alterados, mas o que foi feito era necessário e está muito melhor do que o que e estava. Talvez o governo das esquerdas, que nada fez para resolver o problema, decida a pedido de alguém de esquerda dar outra solução melhor, como lhe competia fazer e não fez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. J. Fernandes,
      Bem-vindo ao Farpas, ao enriquecimento do sentido crítico.
      Folgo por reconheceres que a obra está um bocado torta, e que, por conseguinte, deve ser endireitada. Por o achar fiz o post; e estou tão convicto na crítica que aposto que, mais tarde ou mais cedo, a aberração vai ser corrigida.
      Mas já agora, e apelando ao teu sentido crítico, diz-nos: o que pensas do (mamarracho) do CIMU-Sicó? Está perfeito (como alguns acham a rotunda)? Deve ser corrigido? Demolido?

      Eliminar
  5. É claro, Adelino Malho, que o problema do IC2 e da sinistralidade que acarreta diz respeito apenas ao último ano. Em todos os outros, nomeadamente em todos aqueles que as diferentes coligações e/ou o PSD governaram este país, tal nunca se colocou. Por isso, pendure-se o Costa na rotunda, depois de enquadrado devidamente pelas manifestações que vão marcar as juntas de Vermoil e Meirinhas, em final de mandato.

    ResponderEliminar
  6. A obra não está perfeita mas poupa vidas e isso é que é importante. Esta-se a transformar um IC numa Circular externa de Pombal, beneficiam os Pombalenses e beneficia-se a BRISA...Quem quer andar depressa e sem contornar Rotundas é obrigado a pagar portagens. O estilo de Governação PSD no seu melhor. Mas volto a frisar aquela rotunda poupa vidas e isso é o mais importante. Não ha dinheiro que pague uma vida humana.

    ResponderEliminar
  7. E o mamarracho do Sico pá ninguém comenta?

    ResponderEliminar
  8. Sr. Adelino Malho;

    Então qual era, na sua opinião, a alternativa para a rotunda do Alto Cabaço ?
    Alternativa essa que seria paga com que dinheiro ?
    E o valor dessa obra seria inferior ao da Rotunda da Alto do Cabaço ?
    A Rotunda do Alto do Cabaço permite que a saída de Pombal se torne mais fluída, e sim, vai fazer com que o transito se torne mais lento, mas naquele local qual é o limite máximo de velocidade ? 50 Km/h, certo ? Os automóveis que circulavam naquele local anteriormente no sentido norte/sul ou sul/norte circulavam a essa velocidade ? Ao reduzir a velocidade a probabilidade de ocorrerem acidentes muito graves ou graves vai diminuir mas nunca serão eliminados.
    Quanto ao transito que circula na ex EN237 e pretenda entrar na cidade tem dois acessos, um na Rotunda do Barco entrando pela Rua de Ansião e outro pela estrada N348-1 (estrada de acesso aos Caseirinhos) dando acesso para a cidade através da Sra de Belém (Avenida Heróis do Ultramar) porquê fazer a Rotunda do Alto do Cabaço ? Ou será que estou a ver mal o mapa ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o mamarracho Sr. PLX o que se lhe faz?

      Eliminar
  9. Caro Adelino Malho, é sempre fácil como leigo formar critica, é um problema transversal à sociedade que nos limita, todos temos opinião sobre tudo e mais alguma coisa, o problema é que a grande maioria não percebe de nada, e é com grande pena minha que só se perde tempo a criticar, e sim, quando se critica sem saber o que se diz é perca de tempo em vez de se opor e ir à biblioteca mais próxima tentar aprender sobre o assunto antes de criticar, mas é algo intrínseco em todos nós, por isso nestes tempos líquidos passo a informa lo que não se trata de beneficiar o IC2 e prejudicar EN237, trata se sim de aplicar uma regra básica de urbanismo rodoviário, ainda bem que este senhores que projectaram a rotunda do alto do cabeço tiveram o bom senso de se deslocar há biblioteca, pois, numa distância de até 40 metros, ,está provado que duplicar o numero de cruzamentos só vai prejudicar a circulação dos automóveis.
    Fora "politiquices" que isso a mim não me interessa nada, não concordo com o actual desenho da rotunda, nem tão pouco com a ideia de que tudo se resolve com rotundas, mas entre os males todos venha o diabo e escolha, qualquer dúvida disponha.
    Obrigado

    ResponderEliminar

O comentário que vai submeter será moderado (rejeitado ou aceite na integra), tão breve quanto possível, por um dos administradores.
Se o comentário não abordar a temática do post ou o fizer de forma injuriosa ou difamatória não será publicado. Neste caso, aconselhamo-lo a corrigir o conteúdo ou a linguagem.
Bons comentários.