16 de abril de 2009

As ideias ou a falta delas

As opiniões aqui expressas sobre as forças políticas locais, nomeadamente a distinção entre as têm ou não têm ideias para Pombal, roçam o ridículo e o mais descarado facciosismo.
Antes de discutir o ter ou não ter ideias convinha esclarecer o que é ter uma ideia (ou ideias) para Pombal. Se ter ideias é: apontar uma medida, uma acção ou um conjunto delas; então todas as forças políticas têm ideias, e até demais. Costumo chamar a isto intenções ou palpites. O seu valor é reduzido ou nulo, por isso a maioria delas não passa do papel dos programas eleitorais. Quando estão minimamente alinhadas com uma necessidade de grupo ou lugar tendem a ser concretizadas.
Os partidos, a nível local e também a nível nacional, não têm grandes ideias para apresentar aos cidadãos. Ter uma ideia pressupõe ter uma visão para a comunidade, um modelo de desenvolvimento assente em vantagens comparativas e um programa de acção concreto e alinhado com o modelo. Como isso dá trabalho e requer estudo, compreensão da realidade e massa crítica para o fazer tendem a transformaram-se em estruturas para ganhar ou participar nas eleições.
Quando não se confrontam visões e modelos de desenvolvimento as eleições resumem-se a um duelo nas urnas. Infelizmente, é a isto que temos assistido e é disto que os maus políticos e os eleitores pouco exigentes gostam. Ganha sempre um, mas perdem, quase sempre, as populações. Como a realidade demonstra!

PS: O PS quando divergiu e criticou o executivo municipal apresentou, sempre, propostas alternativas.

30 comentários:

  1. Ó Engº Malho, o sr. até me fazia rir se, estes assuntos não fossem tão importantes para o desenvolvimento de Pombal.
    Não me obrigue a transcrever aqui, o seu último programa eleitoral (Programa eleitoral do PS-autárquicas 2005), para verificar o rídiculo que acabou de escrever.
    Quando toca a fazer promessas eleitorais, são todos iguais, sr. engº!
    R.S.

    ResponderEliminar
  2. Quero então a alternativa ao que têm criticado mais ultimamente: Bodo.

    Além da transparência e de evitar excentricidades, que isso queremos todos...

    ResponderEliminar
  3. De facto, não excluiu, engº Adelino Malho.
    Devo penitênciar-me por isso. Na primeira leitura que fiz, pareceu-me que se referia aos partidos politicos, com excepção do seu!
    Mas de facto, lendo melhor, parece-me que desta vez as suas ideias são abrangentes ao universo politico.
    Aceite os meus cumprimentos.
    R.S.

    ResponderEliminar
  4. Ó Nuno, penso que não é objectivo do blog, ou dos comentadores, apresentarem alternativas para as festas do bodo. Isso, penso que compete ao executivo e à oposição encontrarem formas que permitam realizar o bodo, com um orçamento realista e que não defraude as expectativas daquilo que é tradicional fazer-se.
    Agora, enquanto cidadãos contribuintes, temos o direito de saber, aonde e como o nosso dinheiro
    é gasto.
    Temos também o direito de criticar os gestores que, sendo pagos para isso, têm de o fazer de forma profissional e acima de qualquer suspeita!
    E, no caso das festas do bodo 2008, até que não provem o contrário e por aquilo que é conhecido de todos, temos que admitir que houve GESTÃO DANOSA, de quem geriu o dinheiro dos nossos impostos!
    R.S.

    ResponderEliminar
  5. Não discordo minimamente disso, tal como poderá ver se ler os meus outros comentários. Mas se o PS apresentou sempre alternativas, quero saber quais. Não digo que não as tenha apresentado, só as quero saber...

    ResponderEliminar
  6. Nuno,
    Eu e (também) o PS não achamos o Bodo a coisa mais importante da vida da comunidade. Nunca foi, e dificilmente alguma vez será, um eixo da minha acção política ou de participação cívica. Não concordo com o modelo, apesar de ter introduzido algumas coisas positivas (realço o pagamento dos espectáculos) mas, se serve a maioria e não acarreta (muito) prejuízo, é deixar andar. Foi este o meu, o nosso, posicionamento. Tenho as minhas ideias sobre as festas que não passam pelo modelo festivaleiro.
    Foram os organizadores (PombalViva) que definiram o modelo e os objectivos. Se falharam e se esse falhanço nos entrou no bolso, merecem chumbo. Penso eu!
    Agora, o facto político não é o Bodo. É um caso, infelizmente, muito mais grave.
    Cmpts,
    AM

    ResponderEliminar
  7. Mas o PS, alguma vez, neste mandato apresentou alguma proposta credível?
    Se está à espera disso, é melhor esperar sentado!
    R.S.

    ResponderEliminar
  8. A verdade é que o PS muito tem criticado... Se não é político...

    ResponderEliminar
  9. Nuno,
    Apesar de tudo não o via tão distraído.
    Os principais temas que o PS escolheu para fazer oposição foram: água e saneamento, educação, impostos municipais, empresas municipais e urbanismo.
    Sobre todos eles foram apresentadas divergências profundas em relação ao executivo e propostas claramente alternativas (informe-se melhor).
    Na educação, água e saneamento o executivo está a inverter o rumo, nos impostos dá sinais, no urbanismo continua a desgraça.

    ResponderEliminar
  10. Adelino Malho, boa noite.
    Não sei se quando te referes a Pombal estás a falar só da cidade de Pombal, ou se do Concelho de Pombal.
    Mas vamos afunilar à cidade de Pombal, ou áquilo que, a grosso modo, podemos chamar a área urbana de Pombal.
    Um gestor tem obrigação de "adivinhar" o futuro. Ver mais longe do que os que gere.
    Vamos a alguns exemplos, já que parece que os argumentos não funcionam.
    O Partido Socialista (PS) à frente da Câmara Municipal de Pombal executou a passagem inferior à linha do Norte na nossa Sala de Visitas (Largo do Cardal).
    O Partido Social Democrata (PSD) à frente da Câmara Municipal tentou, ingloriamente, (A REFER é um estado dentro do Estado) executar essa passagem junto ao antigo Colégio, onde devia ter sido executada. Aí sim! Ver Voz do Arunca de Maio de 1989.
    O PS investiu no Estádio Municipal rigorosamente no mesmo sítio onde estava o Campo de Futebol.
    O PSD propôs, à data, ingloriamente, a construção de um complexo desportivo na encosta Norte do Castelo.
    O PS autorizou construções no prolongamento da Avenida.
    O PSD encontra soluções e é seriamente contestado.
    O PS concentrou no centro da cidade todo o trânsito.
    O PSD pretende, ingloriamente por inépcia do poder central, executar uma cintura rodoviária envolvente à cidade.
    O PS criou alguns elefantes brancos (TIR, p.e.).
    O PSD deu-lhes solução.
    O PS pretendeu transformar a Câmara numa empresa rodoviária.
    O PSD resolveu o problema dos transportes urbanos.
    O PS criou o PIMM.
    O PSD aumentou-o e potencializou-o.

    Adelino, ainda continuas a pensar que os partidos não têm ideias para Pombal?
    O rol de ideias que deixei pode ser aumentado, sempre no contraditório.
    É assim a democracia.
    Pode não ser o melhor sistema político, mas é aquele que se torna mais eficaz. Democracia participativa.
    Participemos, então.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  11. Eu não disse que era a principal critica (mau seria)

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  13. Vejo que os Engºs Adelino Malho e Rodrigues Marques continuam muito prolíferos. É um regálo comtemplar. Quem sabe um dia companheiros numa Direcção associativa e um duelo ao sol numa corrida à Presidência da Câmara de Pombal no final do próximo mandato. Não mudo de assembleia de voto para não me sentir dividido. Mas que iria gostar de assistir, iria!...

    Um abraço para todos,

    J.F.

    ResponderEliminar
  14. Corrigenda
    ...numa Direcção associativa, e depois,adversários num duelo ao sol ...

    Insisto nos abraços,
    J.F.

    ResponderEliminar
  15. Caro Adelino,

    Vejo que reconheces que a carapuça que apregoas no teu post serve ao partido que militas. Eu, que defendi as cores da CDU nas duas útlimas eleições autárquicas, é que me recuso a enfiá-la! Todas as propostas que defendemos, e que estão expressas no nosso programa, são suportadas em ideias claras para o nosso concelho. Os eleitores atentos, de todos os quadrantes políticos, reconheceram isso mesmo.

    Pelo teu post, fico ansioso para ver como é que esse novo PS se vai comportar à medida que se aproximam as eleições. Pelos ecos que me chegam da Assembleia Municipal, reconheço algumas mudanças positivas. Agora não me desiludam! Não centrem a vossa campanha nas frases provocatórias, na atoardas sem fundamento e nos sacos de plástico. E, acima de tudo, apresentem um candidato em que acreditem e que seja capaz de transmitir os valores políticos que, pelos vistos, defendem.

    ResponderEliminar
  16. O Eng. Rodrigues Marques até faz impressão. Não deve ter mais nada que fazer. Quis ser presidente e .......perdeu....Vamos por os pontos nos iiis. O psd governa Pombal há 17 anos! Verdade?! Então porquê só criticar o que foi feito na decada de 80. Tenham vergonha. Vozes de burro não chegam ao ceu!

    ResponderEliminar
  17. Boa noite sr. eng.
    Trabalhei no rádio clube vários anos. Ainda me devem alguns milhares de euros. Onde me devo dirigir para os receber? Aos bombeiros, á junta, a aicp, á assembleia municipal, ao rádio, á quilate, á etap ou á tasca?
    Aguardo.

    ResponderEliminar
  18. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  19. Excelência.

    Desculpe-me esta nova carta. As outras não foram muito bem sucedidas e os factos demonstram que foi pena. Mas volto a insistir: era e é necessário cuidar do ambiente moral do Concelho, que está péssimo.
    V.ª Ex.ª tem-se mantido afastado, alheado, da região: não atende, não explica, não apoia, não incita, não dirige. As pessoas mesmo que têm responsabilidades de comando vivem sem directivas. Os descontentamentos são gerais, antigos e descurados: estão descontentes os jardineiros, os motoristas, os electricistas, as secretárias e a Guida, o guarda-livros Hélio, e o Monteiro da propaganda, enfim, todos. Tudo se deixa andar, e todas as soluções vêm tarde e a más horas. Desprestigiou-se a organização e o seu voluntariado, deu-se cabo dos que nos eram amigos mesmo de outras cores, não admira, por isso, que no momento de crise só se veja tudo a aluir, nota-se o aparecimento de um panorama terrível de cobardias e de defecções.
    Têm ocultado a V.ª Ex.ª o verdadeiro estado moral do Concelho. O entusiasmo geral pelo João. A oposição ganha trunfos e moral.
    Só assim se explica que nos momentos graves nos vai valendo o Eng. de Albergaria para estancar os da cor dos lampiões, não podemos deixar que o homem seja pau para toda a obra.
    O Rosa espera e desespera pelo seu contacto, a força é segura de si, equilibrada e justa, se houver a necessidade de mandar alguns para Peniche em reserva espiritual, que assim seja feito.
    Deus permita que V.ª Ex.ª possa salvar a obra começada á dezassete anos: são os meus votos e as minhas felicitações.
    Amigo e discípulo atento e admirador.

    ResponderEliminar
  20. "O PSD propôs, à data, ingloriamente, a construção de um complexo desportivo na encosta Norte do Castelo."

    Não estará um pouco desnorteado???
    A Encosta norte do Castelo é a cidade Pombal!
    O q iria abaixo? O mercado? Ou seria construido na mata? Ou a casa do padre?

    ResponderEliminar
  21. Realmente quem lê o ou os comentários do Sr. Eng. Rodrigues Marques, o seu PSD é bom em tudo aquilo que faz! Os outros é que não prestam, os outros nada valem! Não vejo uma réstia de humildade! Não existem partidos, nem tão pouco, pessoas perfeitas!! Até o sr. Presidente da Câmara consegue ser mais humilde que o sr.Eng., até reconheceu ser grave o prejuízo no Bodo de 2008! Coisa que o sr. eng. não conseguiu reconhecer, antes pelo contrário, até o defendeu!!!
    E o mais caricato é que, apresenta sugestões de ideias ao PS, nomeadamente a nível social, porque as ajudas ás famílias carenciadas não estão a chegar ás mesmas! Para usarem a área social como bandeira! Sabe o que significava 300 mil euros no combate á pobreza e á exclusão social? O quanto custa (ou vai custar)ao Concelho e ás famílias que precisam de apoio, o dinheiro mal gerido e desperdiçado em festas megalómanas (que vão parar o país!)? Critica-se o governo pelos projectos megalómanos, pelo desperdício de dinheiros públicos, por assumirem prioridades invertidas, mas depois não se tem a capacidade de olhar para o seu próprio umbigo!! Penso que temos que ser sérios, seriedade no sentido de "despirmos" da capa do partido, ser livres na opinião pessoal não estar sempre subjugado áquilo que o partido pensa ou defende!

    Pombal e as suas gentes merecem mais e melhor!

    ResponderEliminar
  22. Isto serve para todos os senhores que não sabem acentuar as palavras:
    - "á" não, à;
    - "ás" não,às;
    - áquilo não, àquilo.
    É que este blog não se faz apenas de línguas viperinas,faz-se também de bom português.

    ResponderEliminar
  23. António Eduardo - Pombal17 de abril de 2009 às 12:11

    Pombal precisa de uma nova geração à frente dos destinos públicos. Quem são os jovens valores dos partidos em Pombal?

    ResponderEliminar
  24. malho, o que baralha as pessoas são as posições ambíguas e a duas vozes. Os erros de casting do PS como os que aconteceram num passado recente agravam ainda mais a falta de uma verdadeira oposição em Pombal. Porque não haja ilusões: nem toda a informação chega aos munícipes. Se perguntares pelo concelho fora o que aconteceu com os actuais vereadores do PS poucos te sabem dizer. Para além disso é legítimo que até os (cada vez menos) que se insurgem (com coragem, diga-se) e assumem publicamente como gente que não se identifica com o poder e modus operandi do presidente e seu executivo, se sintam enganados pelas alternativas.
    Depois é a constante escolha descartável - por culpa do PS ou dos que por ele deram a cara. Quem acompanha isto desde 93 sabe do que falo. De Armindo Carolino a Joaquim Guardado, de António José Rodrigues a Sérgio Leal. Honra seja feita a Guardado, que lá ficou, como lhe competia, na cadeira da vereação.
    Foi, de resto, nessa tónica que muito bateu Sérgio Leal nas últimas autárquicas. Mas deu no que deu.

    ResponderEliminar
  25. O Partido Socialista de Pombal não soube aproveitar a herança deixada pelo Eng. Guilherme Santos.
    Não acontece muita vez um partido estar na cadeira autárquica e perder eleições, mas reparem no que aconteceu ao partido nesse ano na sua concelhia, os próprios socialistas de Pombal cavaram a derrota, ao contrário, o PSD digladia-se durante os quatros anos mas chega na altura certa e alguém toca a reunir as forças derrotando um PS que pouco vale.
    Na minha humilde opinião o Eng. Rodrigues Marques e o sempre disponível Mário Santos estão no vértice da força que o PSD tem no Concelho.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  26. Caro Anônimo
    Tambem concordo consigo, acerca dos verdadeiros PSD de Pombal: Rodrigues Marques e Mário Santos, mas esta a esquecer-se de Diogo Mateus que é PSD quase desde que nasceu e sempre se pautou na defesa da Social Democracia em Pombal. O Eng. Narciso apareceu muito depois.

    ResponderEliminar
  27. "Pombal precisa de uma nova geração à frente dos destinos públicos. Quem são os jovens valores dos partidos em Pombal?"

    Vá à Assembleia Municipal que vê alguns. Em ambas as bancadas.

    ResponderEliminar
  28. Deveria o PS avançar para a contratação de Rodrigues Marques para orquestrar com sucesso o próximo acto eleitoral, e porque não?

    ResponderEliminar

O comentário que vai submeter será moderado (rejeitado ou aceite na integra), tão breve quanto possível, por um dos administradores.
Se o comentário não abordar a temática do post ou o fizer de forma injuriosa ou difamatória não será publicado. Neste caso, aconselhamo-lo a corrigir o conteúdo ou a linguagem.
Bons comentários.